Perdidos no Espaço

Ficha-Técnica

Título: Perdidos no Espaço (Lost in Space/1965-68/EUA/P&B-Cor)
Criação: Irwin Allen
Produção: Jodi Productions/Van Bernard Productions/20th Century-Fox Productions/CBS Television Network
Elenco: Guy Williams, (Prof. John Robinson), June Lockhart (Maureen Robinson), Mark Goddard (Major Donald West), Marta Kristen (Judy Robinson), Billy Mumy (Will Robinson), Angela Cartwright (Penny Robinson), Jonathan Harris (Dr. Zachary Smith) e Bob May (Robô B9)
Trilha Sonora: John Williams
Formato: 83 episódios de 50 minutos em 3 temporadas
Dublagem: Companhia Arte Industrial Cinematográfica – São Paulo (AIC). Com Astrogildo Filho e Rebello Neto (Professor John Robinson), Helena Samara (Maureen Robinson), Ary de Toledo (Major Donald West), Neuza Maria e Áurea Maria (Judy Robinson), Magali Sanches e Maria Inês (Will Robinson), Cristina Camargo e Leomar de Mattos (Penny Robinson), Borges de Barros (Dr. Zachary Smith), José Soares, Jorge Ramos, Amaury Costa e Gilberto Baroli (Robô B-9). Narração: Ibrahim Barchini, Emerson Camargo e Carlos Alberto Vaccari. Tradução: Hélio Porto.

Introdução

A década de 1960 é considerada pelos especialistas como Era de Ouro da televisão. De várias partes do mundo vieram os primeiros sucessos de ficção, como os americanos Além da ImaginaçãoQuinta Dimensão e As Aventuras de Super-Homem; o japonês National Kid; e os ingleses Stingray e Thunderbirds. Com o sucesso dessas séries, muitas outras foram produzidas no mesmo segmento, e na metade dos anos 1960, surgiram Viagem ao Fundo do MarJornada nas EstrelasOs InvasoresO Túnel do TempoTerra de GigantesUltraman e Perdidos no Espaço.

Esta última marcou uma geração, trazendo sua fantasia e sonhos de um futuro promissor e de aventuras fantásticas. Um futuro cheio de esperança. Como muitos outros da geração anos 1960, Perdidos no Espaço serviu de inspiração na carreira profissional. Acabei me formando na área científica e trabalhando em um instituto de pesquisas, cujo o campo é a astronomia e geofísica.

Acompanho Perdidos no Espaço desde a sua estreia no Brasil e, confesso, foi amor à primeira vista. As recordações são muitas: o álbum de figurinhas, o charme de Angela Cartwright e Marta Kristen, as viagens espaciais que culminaram com Neil Armstrong pisando em solo lunar, o anunciante gaúcho da série (Doces Ritter) e ainda, o programa que antecedia “Perdidos” na TV Piratini de Porto Alegre e que eu tanto frequentava nas tardes de sábado — o “Cirquinho Piratini”. Uma época em que a programação infantil não tinha contra indicação.

A Série

No final do século XX, a Terra enfrenta o problema da super-população, que se torna crítico. A solução é a colonização do espaço sideral, começando por um planeta na órbita da estrela Alfa Centauri. Considerando o alcance da tecnologia americana, ele é o único planeta capaz fornecer condições ideais para existência humana.

Elenco da série

Em 16 de outubro de 1997, o governo americano, através do Controle Alfa, lança a moderna e poderosa nave Júpiter 2, com a primeira família selecionada e treinada para dar início à colonização: os Robinson. É composta pelo pai John (professor de astrofísica e geofísica), pela mãe Maureen (bioquímica) e pelos filhos Judy, Penny e Will. Acompanhando-os, está o piloto Major Donald West e o robô B9, programado para auxiliar a família no processo de colonização. Toda a tripulação será colocada em estado de animação suspensa devido à longa viagem e o piloto automático da nave acionado.

Entretanto, ocorre um imprevisto. O psicólogo do Controle Alfa, Coronel Zachary Smith, reprograma o robô dos Robinson para destruir a espaçonave após oitos horas de seu lançamento. Smith, na verdade, trabalha para um governo inimigo. Durante a produção da série (1965/68) o mundo estava em plena Guerra Fria e, assim, foi oportuno colocar o vilão como agente de uma potência inimiga dos Estados Unidos.

Ao fazer a checagem final de seu plano maléfico, Dr. Smith acaba ficando preso na nave e segue viagem na Júpiter 2. Com o peso extra de Smith, a nave sai de seu curso indo para o meio de uma chuva de meteoros. Após se livrar dos meteoros e anular a ação destrutiva do Robô, a família Robinson resolve tentar cumprir a missão de chegar à Alfa Centauro, apesar de estarem perdidos no espaço, pelos danos ocorridos na nave. O único a não concordar com a resolução é o “clandestino teimoso” Zachary Smith, que vai passar toda a série tentando voltar à Terra, principalmente por meio de traições e covardias.

Smith dá o Clima

Perdidos no Espaço foi criada pelo produtor Irwin Allen, que já tinha produzido outra grande série de ficção para a tevê, Viagem ao Fundo do Mar.

Allen levou o projeto de Perdidos no Espaço à rede CBS, que encomendou o filme-piloto à 20th Century Fox. Sob o título de “No Place to Ride”, a primeira versão do episódio-piloto teve em seu elenco apenas a família Robinson e o Major West. Dr. Smith e o Robô só foram concebidos no segundo e definitivo piloto — “The Reluctant Stowaway” — para dar mais intensidade à trama, já que os executivos sentiram falta de um personagem que causasse problemas à tripulação da nave. Desta forma, o vilão Dr. Zachary Smith foi criado, mas seria morto logo nos episódios iniciais da série.

A experiência do ator Jonathan Harris fez com que a trama fosse modificada a ponto do “ator especialmente convidado” se transformar na estrela principal e permanecer na série até o final. A grande química entre os atores também foi fator chave para o sucesso.

Com o passar dos episódios, Smith vai ficando cada vez mais perturbado mentalmente, fazendo inúmeras tentativas de voltar à Terra ou obter riquezas e poder por meio de ajuda alienígena. Mas ele é vítima de sua própria ganância. É covarde e hipócrita, o que sempre lhe proporciona o mesmo desfecho: o fracasso.

Nas três temporadas que Perdidos no Espaço contou, os Robinson ficam vagando de planeta em planeta tentando chegar à Alfa Centauri ou voltar à Terra. As histórias são fantásticas. Algumas bizarras, cheias de monstros, formas de vida extraterrestres inteligentes e estranhas, que são ameaças constantes.

Na primeira temporada, em preto e branco, as histórias têm maior teor de ficção científica que as duas temporadas seguintes. A partir da segunda, junto com as cores, vieram histórias cômicas e bizarras, centradas nos personagens Will – Smith – Robô, adotando a fórmula de sucesso da série Batman, que também fazia sucesso na época.

Personagens

 

O Produtor

Devemos ao obstinado Irwin Allen (1916-91) a realização da série Perdidos no Espaço. Produtor e diretor americano, muito popular como inventor da moda “disaster movies”, com os seus filmes de sucesso “O Destino do Poseidon” e “Inferno na Torre”. Também foi responsável pelas séries Viagem ao Fundo do Mar, O Túnel do Tempo, Terra de Gigantes, A Família Robinson e Código: R (Fogo).

// Clique aqui para mais detalhes sobre Irwin Allen

Curiosidades

Episódio 84

Perdidos no Espaço teve 83 episódios produzidos e distribuídos em três temporadas. Ao final das gravações da terceira, mesmo antes de acabar as filmagens desta problemática temporada, já haviam sido gravadas algumas tomadas do que seria o primeiro episódio da quarta temporada.

Com o título de “O Parque de Diversão Espacial”, o roteiro de Carey Wilber era de boa qualidade e decidiu-se guardá-lo para tornar-se um episódio duplo de estreia da quarta temporada.

Neste roteiro, Dr. Smith encontra dois alienígenas congelados desde o lançamento da Júpiter 2, nas paredes internas da nave, dentro do armário de sua cabine. A explicação é de que os alienígenas se acidentaram na Terra, se infiltraram na construção da nave para, durante o sono criogênico no voo original dos Robinson, tomarem os comandos e voltarem ao seu planeta de origem.

Um desses alienígenas seria interpretado por Gary Conway, que faria parte do elenco fixo durante a produção da quarta temporada (Conway protagonizaria posteriormente a série Terra de Gigantes). Nesse ano, a personagem Judy se interessaria por tal alienígena, mas havia a possibilidade de Don e Judy ficarem juntos mais abertamente, no fim dessa temporada.

Segundo uma fonte não oficial, as cenas da queda da nave dos astronautas na primeira versão do filme “O Planeta do Macacos” (1968), na verdade,  seria a queda do Júpiter 2 na quarta temporada de Perdidos no Espaço.

O Filme de 1998

Perdidos no Espaço – O Filme (Lost in Space – EUA, Inglaterra, 1998 – 130 minutos), foi dirigido por Stephen Hopkins. No elenco, estão presentes William Hurt (John Robinson), Mimi Rogers, Heather Graham (Judy), Lacey Chabert (Penny), Jack Johnson (Will Robinson), Gary Oldman (Dr. Smith), Matt LeBlanc (Major Don West) e Jared Harris (Will Robinson mais velho).

“Perdidos no Espaço – O Filme” conserva o caráter absolutamente “camp” do seriado dos anos 1960, sem deixar de apresentar elementos dos filmes modernos de ficção científica. É um filme para ser visto com bom humor e nostalgia, principalmente por amantes do seriado de TV.

Dois grandes atores de Hollywood estão nos principais papéis: William Hurt como John Robinson, o patriarca da família e Gary Oldman no papel de Dr.Smith.

Alguns atores do seriado também aparecem em pequenas pontas no filme.  June Lockhart faz o papel de professora de Will Robinson, aparecendo em um holograma. Mark Goddard fez um oficial comandante do novo Major West. Angela Cartwright e Marta Kristen interpretaram duas repórteres. O ator Dick Tufeld voltou a interpretar a voz do robô neste filme, mas morreu em 22 de janeiro de 2012.

Guy Williams morreu em maio de 1989, Jonathan Harris em 3 de novembro de 2002.

Cenários e figurinos, além da trilha sonora, parecem saídos de uma viagem de ecstasy do diretor e seus colegas, em alguma rave americana. Techno é palavra de ordem o filme todo e os figurinos bem que podem ser aproveitados por clubbers mais sci-fi. A trilha merece todo respeito de amantes da música eletrônica e a sequência final de créditos, embalada pela versão techno do tema da série original, remixada pelo grupo ApolloFourForty, é para DJ nenhum botar defeito.

Por fim o Robô aqui está numa versão mais agressiva, apesar de conservar elementos visuais de seu antecessor. Mas continua gritando: “Perigo, Will Robinson, Perigo”.

Abaixo, a sinopse do filme:

Na segunda metade do século XXI, as fontes de energia de origem fóssil estão para serem esgotadas. Na tentativa de salvar a raça humana, os cientistas construíram um portal que permite que a viagem na velocidade da luz possa ser possível, mas só funciona se existir um outro portal para receber os viajantes. Com isso, um cientista e sua família são escolhidos para viajar em velocidade normal até o local onde o segundo portal deve ser construído, numa viagem que durará dez anos. Os tripulantes ficarão criogenicamente congelados até chegarem em Alpha Prime, o único planeta habitável conhecido. Porém, um outro cientista sabota a espaçonave para que um robô mate os tripulantes 16 dias após a partida, mas acaba sendo vítima da própria trama, pois ele é traído por seus comparsas e fica preso na nave. Assim, colabora com os demais tripulantes para poder salvar a si mesmo, mas quando a espaçonave é atraída para o sol em virtude do forte campo gravitacional, a  chance deles sobreviverem é ativarem a hiper velocidade. Mas sem um portal do outro lado são arremessados a lugar desconhecido do espaço sideral. Totalmente perdidos, eles se defrontam com uma infinidade de perigos que os ameaçam constantemente e tentam encontrar Alpha Prime para construírem o segundo portal, que é a única esperança da população da Terra.

Dedicatória

“Quero nesta matéria render a minha homenagem a todos os losters que mantém a chama da memória Perdidos no Espaço acesa, em especial: Elias de Lucena (LIS-SP), Fernando Ramos (Perdidos no Espaço Brasil – Fortaleza), Fernanda Furquim e Maurício Viel (editor do site RetrôTV). (Marcus Anversa)

// Clique aqui para ver a Lista de Episódios de Perdidos no Espaço

Publicado originalmente em 01/01/2001.
O autor desta matéria é Marcus Anversa. Escreva para nós e faça seus comentários.

Artigos

//  “Uma Vida Dedicada a Perdidos no Espaço” (Elias Lucena)

//  Irwin Allen (Marcus Anversa)

DVD

Em julho de 2004, a Fox Home Entertainment lançou a 1ª Temporada de Perdidos no Espaço em DVD no Brasil. A temporada seguinte chegaria em dezembro do mesmo ano e a terceira em maio de 2005, todas contendo a dublagem original brasileira, gravada pelo estúdio AIC.

No Brasil, Perdidos no Espaço foi a primeira série clássica a ter todos os episódios lançados em DVD. O site RetrôTV e o colaborador Elias de Lucena participaram do processo de lançamento da coleção, opinando no formato de lançamento, na divulgação e até fornecendo a dublagem de um episódio.

Nos extras, a Fox disponibilizou duas raras entrevistas feitas numa rádio americana em 1966 com June Lockhart, Guy Williams e Jonathan Harris, falando sobre o lançamento da 2ª temporada de Perdidos no Espaço em DVD; trailers originais “Next on Lost in Space”; Tags da 3ª Temporada; e entrevista com Bill Mumy e Jonathan Harris (1995).

As três temporadas de Perdidos no Espaço, lançadas no Brasil entre 2004/2005 pela Fox Home Entertainment

Multimídia

Clique e assista ao trecho inicial + abertura do episódio “Fuga Desesperada” de Perdidos no Espaço.

Veja o desenho animado produzido pela Hanna-Barbera:

Galeria

13 Comentários

  1. Essa série é a mais querida da minha vida!!! Um verdadeiro mimo que nunca esquecerei. principalmente do Doutor Smith e do Robô gritando Perigo!! Perigo e chacoalhando os braços para o alto.

  2. OTIMOS SERIADOS DOS ANOS 50 E 60, SEM MALICIAS, TUDO NA MAIOR DA INOCENCIAS, PORQUE , TODOS SE RESPEITAVAM, INDEPENDENTE DE COR, RAÇA, CREDO E VIDA SOCIAL, ESPERO QUE UM DIA VOLTE DODOS ESSES SERIADOS MAQUINIFICOS.

    ABRAÇOS
    BOTTI

  3. Jorge disse:

    Essa serie fez a alegria da minha infância e juventude.Filmes como esses não se fazem mais hoje em dia.Pena que a tv mudou para pior.

  4. juscelino disse:

    É verdade fomos previlegiados esse tempo nunca vai sair da minha vida.

  5. Aires disse:

    este artistas, produtores, escritores e diretores foram marcos da realidade e mentalidade daquela memoravel e magnifica época em que vivemos(nós dos 50 ano!). Sera para sempre um exemplo de como o bem,carater,honestidade, inocencia, bons exemplos, familia eram o forte e gravaram para sempre na humanidade.Nunca mais existiu autores e artistas tão perfeitos até hoje. Tanto que só repetem e usam personagens e estorias do passado, por não existir mais tanta criativiade dentro desta linha IMORTAL de virtudes no estilo destas séries da época. GRANDE SAUDADE e tristeza de que tudo mudou….para muito pior!! abraço a todos.

  6. helcio dontal disse:

    EU SOU UM CARA QUE ESTUDOU ELETRÔNICA IMPULSIONADO POR ESSA SÉRIE. MEU DEUS, BONS TEMPOS!

  7. rebeca disse:

    esse seriado faz parte da minha infacia jamaisvou esquecer amo esses atores q mexeram com nossa imaginaçao ki saudades!

  8. sebastian disse:

    um dia os tempos dourados iriam voltar em nossas infancias agraciados pela inocencia e pela epoca não pela censua que havia ,mas livres para sonhar com as programaçoes que marcaram nossos corações e graças gue marcaram nossas geraçõs ;em coodigos passados pelos olhares gue brilhavam pelas telas preto ebranco e depois ocolorido que nem imaginavamos que o dr whismt era um vilão ;ate nas pessoas ambiciosas poderia haver compaixão ;obrigado por sermos comtemporaneos da mesma epoca

  9. Graças a Deus tive a oportunidade de assistir alguns episódios da série, pois era raro pegar o sinal da TV onde morava na época, a imagem ia e vinha, com chiados, roncos, mas quando dava certo de pegar, eu aproveitava cada segundo…Morro de saudades dessa época! Pena que as gerações posteriores não tiveram o mesmo privilégio…

  10. Luiza disse:

    Amo de paixão perdidos no espaço. Gostaria de saber se a NETFLIX tem este seriado, pois só assinarei se tiver. Quero muito mostrar ao meu filho este seriado que assisto quantas vezes passar.

  11. Rosana disse:

    Inesquecível,estava pesquisando filmes antigos quando vi perdidos no espaço,bons tempos,eu assistia com meus pais….

  12. o que passou não volta mais, mas ficamos com as lembranças boas de um passado maravilhoso e melhor que ja vivemos. Todos que conheço e que viveram essa época de ouro sempre tem ótimos comentarios sobre perdidos no espaço e varias outras series de filmes e desenhos. Os diretores de TV poderiam colocar os filmes e desenhos antigos que dariam maior audiencia que esse big broder que é vagabundagem pura. Só insentivam a bebedeira, intrigas e promiscuidade. Assiste quem quer. Mas deveria voltar o Zé colmeia, pepe legal, tunel do tempo dentre outros. Estou assistindo atravez da SKY livre no canal 175 na RBTV durante horarios variado na noite. obrigado

Deixe o seu comentário